Gravidez: a lista de exames obrigatórios


Dr. Domingos Mantelli
por: Dr. Domingos Mantelli
Médico especializado em Ginecologia e Obstetrícia

gravida_ultrassom

A recomendação é de, no mínimo, seis consultas médicas ao longo da gestação (Foto: 123RF)

O acompanhamento de pré-natal é fundamental para garantir o sucesso da gestação, você sabe. Nos encontros com a equipe médica, exames e avaliações vão mostrar está a sua saúde e a do seu bebê, assim como rastrear e diagnosticar possíveis doenças e complicações futuras, de pressão alta a parto prematuro. Por isso, assim que você desconfiar que está grávida (o que geralmente acontece na 5a semana, após o atraso menstrual), agende a primeira consulta. A recomendação é de, no mínimo, seis ao longo dos nove meses de gestação. Boa parte das visitas médicas são dedicadas aos exames laboratoriais, feitos de acordo com o trimestre e condições específicas de cada grávida (como a idade, histórico de saúde, etc.). A seguir, destaco algumas mudanças e testes solicitados em cada período.


Primeiro trimestre

Nessa fase ocorrem as principais mudanças no corpo da gestante, assim como o desenvolvimento das estruturas do bebê. No início do pré-natal, vale a pena consultar também uma nutricionista, tanto para garantir que você esteja consumindo todos os nutrientes necessários, quanto para controlar o ganho de peso. Outro detalhe importante: toda grávida deve ingerir um suplemento de ácido fólico, que são vitaminas do complexo B, durante o primeiro trimestre para prevenir malformações no cérebro e na medula espinhal do bebê. Exames obrigatórios: 

  • Hemograma completo, para o diagnóstico da anemia;
  • Tipagem sanguínea (ABO/Rh), para averiguar a compatibilidade sanguínea do casal;
  • COOMBS indireto. Se o Rh da gestante for “negativo”, ela terá que realizá-lo durante todos os meses de gestação.
  • Glicemia de jejum, para detectar se há predisposição ao diabetes gestacional;
  • Anti HIV 1 e 2;
  • VDRL, para rastrear a mãe a bactéria que causa sífilis;
  • Sorologia para toxoplasmose;
  • Sorologia para rubéola;
  • Sorologia para hepatites B e C;
  • Sorologia para citomegalovírus;
  • Urina, para pesquisar a presença de infecções urinárias;
  • Exame de fezes, para detectar se a gestante tem com alguma verminose que possa levar à anemia;
  • Papanicolau;
  • Ultrassom morfológico (de 11 a 14 semanas de gestação), para calcular a idade gestacional e avaliar o risco de malformações e alterações cromossômicas, como síndrome de Down.

Segundo trimestre

O bebê se desenvolve mais rapidamente e com isso, as mulheres costumam ganhar um pouco mais de peso, o que pode acarretar dores nas costas, abdômen e virilha. Desde que o obstetra libere, pratique exercícios físicos moderados para fortalecer os músculos e melhorar o bem-estar de modo geral. Exames obrigatórios:

  • Repetição da sorologia para toxoplasmose, se necessário;
  • Teste oral de tolerância à glicose;
  • Repetição da urocultura (com 28 semanas);
  • Ultrassom morfológico (de 18 a 24 semanas) para avaliar a formação dos órgãos do bebê;

Terceiro trimestre

Como o bebê está cada vez maior, ele começa a pressionar alguns órgãos da gestante, que pode ficar com dificuldade para respirar. Isso também aumenta a frequência urinária – prepare-se para ir ao banheiro a toda hora! A gestante ainda pode sentir azia, inchaço nos tornozelos, rosto e até mesmo hemorroida nesse finalzinho de gravidez. Outro problema comum é dificuldade de encontrar uma posição confortável para dormir: tente deitar-se do lado esquerdo, que favorece a circulação sanguínea, com travesseiros abaixo da barriga e entre as pernas. Exames obrigatórios:

  • Hemoglobina e hematócrito, para avaliar o risco de anemia, entre 32 e 34 semanas;
  • Repetição da sorologia para toxoplasmose, se necessário;
  • Repetição do exame de HIV, VDRL (sífilis) e urocultura;
  • Ultrassom obstétrico, por volta da 35a.

A lista é extensa, mas esses exames são apenas alguns dos que a grávida tem de fazer. Existem ainda outros específicos, que o obstetra pode solicitar em condições especiais, dependendo da idade e histórico de saúde da gestante, de doenças que possam surgir (como diabetes e hipertensão) na gravidez e do desenvolvimento do bebê. A quantidade e a frequência dos exames também pode variar de gestante para gestante. Não deixe de conversar com o seu obstetra para esclarecer todas dúvidas que surgirem em cada etapa e, assim, ter uma gravidez saudável e tranquila.A

  • Dr. Domingos Mantelli

    Médico especializado em Ginecologia e Obstetrícia. Papai da Giulia e da Isabella. E autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra” e pai da Giulia

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)