Como economizar nas férias em tempos de dólar nas alturas


por: Renata Sucena
Autora do blog Viagem em Detalhes e mãe do Gabriel

DSC01694

Curtindo Campos do Jordão, no interior de São Paulo, com a família fora da temporada (Foto: Viagem em Detalhes)

Em tempos de crise, muita gente desiste de viajar nas férias. Mas tem como fazer uma viagem mais econômica, sem abrir mão de conforto e diversão, sabia? A palavra-chave, como você vai conferir na lista a seguir, é pla-ne-ja-men-to. Rezar para o dólar voltar para a casa dos R$ 2 reais também ajudaria, só que enquanto esse dia não chega, veja algumas sugestões.

Fuja das altas temporadas

Dedique tempo para pesquisar uma melhor data para a sua viagem, fora das altas temporadas. Se o seu filho ainda é pequeno, tudo bem faltar uns dias na escola e viajar durante o período de aulas. Mas no caso dos maiores, fugir das férias escolares nem sempre é uma alternativa para quem tem crianças, eu sei. Mesmo assim, viagens marcadas para fim de novembro ou de janeiro já saem mais baratas.

Cuidado apenas para que o período não coincida com algum feriado ou data comemorativa no local que você vai visitar. No Spring Break dos Estados Unidos, por exemplo, que acontece geralmente em meados de março, as tarifas dos hotéis podem sair até 50% mais caras, além de estarem mais lotados. Por isso, antes de comprar a passagem, vale a pena checar se as diárias dos hotéis estão de acordo com a sua expectativa.

Outra opção é ir no contra fluxo nos feriados como Carnaval, Corpus Christi – aí, quando todo mundo estiver voltando, você estará indo. Fechando com antecedência, você até consegue viajar com uma quantidade bem justa de milhas. E foge das tarifas altíssimas dos resorts e praias brasileiras nos feriados.

Inove no roteiro

Os destinos mais badalados, assim como as grandes cidades, têm hospedagem e alimentação mais caros normalmente. Caso esteja aberta a conhecer novos lugares, isso pode gerar uma boa economia. E, de quebra, você ainda sai, literalmente, fora do lugar comum! Por exemplo, perto de Miami, procure resorts em Naples, West Palm Beach ou Clearwater. Se estiver buscando praia e hotel com infra-estrutura para crianças, por ali há muitas opções com melhores preços do que em South Beach.

Se quer esquiar, as opções na América do Sul com certeza são mais em conta. Já na Europa, busque estações menos conhecidas na Espanha ou Andorra (pequeno país localizado na Cordilheira dos Pirineus entre a Espanha e a França). Sai bem mais conta do que curtir a neve na Suíça ou França. Outra dica é comprar as roupas de esqui das crianças pela Amazon ou pedi-las emprestadas a amigos com filhos na mesma idade, pois o aluguel costuma ser bem caro nos destinos.

Mas a América Latina tem outras atrações também, claro. Argentina, Chile, Peru, Colômbia são alguns dos destinos que recomendo. Então, quem sair das rotas de praias, como Nordeste e Rio de Janeiro, tem boas chances de economizar.

Procure hospedagens alternativas

Fugir do tradicional aqui também pode sair bem mais em conta. Hoje em dia além dos buscadores de hotéis mais conhecidos, se você quiser alugar um apartamento ou casa em qualquer lugar do mundo, é só entrar no Airbnb. A plataforma inaugurada em 2008, já conta com mais de 2 milhões de anúncios. Veio com tudo para aumentar ainda mais as opções de hospedagem e facilitar a vida das pessoas. Acho que, como sempre, o importante é ler com calma os reviews, ver as fotos, falar com o proprietário, procurar o endereço no mapa, para ver o quão distante das atrações irá ficar, se tem transporte fácil, o estilo da acomodação (se a cozinha é bem equipada, por exemplo). De resto, pode ser uma ótima forma de se aventurar a viver um período como um morador local. Geralmente, os anfitriões ainda dão boas dicas de restaurantes e passeios nas redondezas.

Captura de Tela 2016-04-26 às 00.05.25

Exemplo da plataforma Airbnb, uma opção mais barata de hospedagem (Foto: Viagem em Detalhes)

Se está pensando em ir para a Disney, uma boa maneira de gastar menos é alugar uma casa ou apartamento, algo bem comum entre os brasileiros que vão para lá. Acho uma opção bem gostosa, já fiquei e recomendo. Outra vantagem é que a convivência da família dentro de uma casa é diferente daquela no quartos quartos de hotel, que às vezes nem ficam próximos.

Vá ao supermercado

Uma parte grande do orçamento da viagem com certeza fica por conta da alimentação. Por isso, leia bem o que está incluído na reserva do hotel antes de fechar, às vezes, a diária com café da manhã fica muito mais cara do que sair para tomar café fora ou comprar tudo no mercado para fazer um lanchinho no próprio quarto. Por outro lado, o café da manhã do hotel pode quebrar o maior galho se você pegar uma fruta, iogurte ou outro lanchinho para mais tarde. É preciso bom senso, of course! Independentemente da sua opção, é preciso incluí-la no orçamento para não estourar os gastos.

Eu costumo garantir um bom café da manhã no hotel, principalmente para o meu filho. E depois, durante o dia, levo um lanche para ele, ou comemos algo pela rua mesmo enquanto passeamos. Aliás, procurar comidas de rua típicas de cada país é uma ideia. Na Bélgica, já comi a famosa batata frita com maionese por apenas EUR$2,75. Claro que ataquei um waffle com Nutella e morangos depois. Então, normalmente paramos num restaurante somente para jantar. Por mais que o estabelecimento não seja dos mais caros, sempre tem a taxa de serviço, o que acaba deixando o valor total mais dispendioso, principalmente em dólar ou euro. Também vale a pena procurar restaurantes com cardápio kids, com opções de pratos pequenos e mais em conta para a criançada.

PicMonkey CollageBatata frita com maionese, depois waffle com Nutella!! Essa foi na Bélgica (Foto: Viagem em Detalhes)

Ficar em hotéis com estrutura de flat também é uma ótima alternativa nesse caso, pois você pode comprar várias coisas no supermercado e abastecer sem medo a geladeira e/ou preparar algo por lá mesmo. Sair para passear em algum parque e aproveitar para fazer um piquenique com coisinhas compradas no mercado também pode ser uma diversão para os pequenos. Dependendo do local, há lugares reservados para essas ocasiões.

Biel_parque Orlando

Meu filho Gabriel se divertindo em um parque público em Orlando, onde ainda fez amizade com as crianças americanas (Foto: Viagem em Detalhes)

Inclua o valor dos passeios no orçamento

Esse é um outro custo alto no total da viagem. Por isso, atenção para não fazer o orçamento da viagem apenas com passagens e hotel, deixando o item de fora. A Disney é um exemplo clássico, já que a média de preço do ingresso por dia nos parques é de US$80/90 por pessoa. Se o destino for a Europa, certamente fará passeios a museus e outros pontos turísticos que cobram entrada (como a torre Eiffel em Paris, ou a London Eye, em Londres ). O ideal é pesquisar antes de viajar, pois a maioria oferece entrada gratuita em um dia específico da semana e também para as crianças. Outros, por sua vez, têm entrada simbólica, ou seja, você paga quanto puder.

Outra conta que eu sugiro fazer, principalmente se a família for de 3 ou 4 pessoas, é a do transporte público x versus táxi/Uber. O metrô você paga por pessoa e o taxi por corrida, então, se o local for perto, pode sair mais barato de táxi. Isso sem falar que dá para conhecer a cidade melhor, em vez de passear apenas pelo subsolo.

Viaje pelo Brasil

Eu tenho certeza que seu filho pequeno não conhece nem 10% dos destinos brasileiros. Por que não apresentar o país ao seu filho desde cedo? Minhas sugestões incluem:

IMG_1907

Minha amiga e meu afilhado no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu (Foto: Viagem em Detalhes)

  • Foz do Iguaçu (PR): lugar maravilhoso! Saindo de São Paulo, chega-se de avião em 1 hora e meia, no máximo. As opções de hotéis preparados para atender crianças são variadas. Lá além das Cataratas, tem o Parque das Aves e a Itaipu Binacional, a maior hidroelétrica do mundo.
  • Gramado (RS) também é um destino que a criançada adora. Lá tem o Minimundo, zoológico, Alpen park e outras opções ótimas de entretenimento para os pequenos, o ano todo.
  • Praia do Forte (BA), pertinho de Salvador e com fácil acesso. A Praia do Forte é bem interessante para as crianças pois tem o projeto Tamar, além do Tivoli Ecoresort, que é o mais famoso, com uma ótima estrutura para crianças. Mas caso a ordem seja economizar, você encontrará também outras opções de hotéis e pousadas mais em conta.

Se não quiser viajar de avião procure as opções perto da sua cidade. Com as recomendações e reviews dos sites de busca de hospedagem, fica muito mais fácil buscar sozinha um hotel dentro da faixa desejada.

Compre menos

Além do planejamento prévio de todos os gastos, faça uma estimativa do orçamento para a fatura do cartão de crédito não estragar seu passeio na volta. Combine com as crianças (e com os adultos também!) que vocês estão viajando para passear e não só para comprar. Cortando pequenas compras, como lembrancinhas, você vai ver que já faz uma diferença grande no final!

LOGO VED pequeno

  • Renata Sucena

    Administradora e mãe do Gabriel de 9 anos, trabalhou por 15 anos em marketing em instituições financeiras. Buscando unir duas de suas paixões, viagens e fotografia, criou o blog Viagem em Detalhes.

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)