Quer ter um negócio próprio? Dicas úteis aqui!


Patricia Gattone
por: Patricia Gattone
Jornalista e autora do blog Espaço de Mulher
Quando você é dona do seu negócio. O tempo quase sempre é seu - para fazer o que quiser. Só não pode cair na cilada de fazer tudo menos trabalhar (foto: Free Images) Quando você é dona do seu negócio, o tempo quase sempre é seu – para fazer o que quiser. Só não pode cair na cilada de fazer tudo menos trabalhar (foto: Free Images)

 

Você engravidou, chegou a hora da licença-maternidade e depois que o bebê nasceu está sentido falta de voltar à ativa? Ou então, gostaria de investir no próprio negócio  para ficar mais pertinho do seu filho e ser dona da sua agenda e do seu tempo? Bom, segundo Patrícia Travassos e Ana Claudia Konichi, autoras do livro “Minha mãe é um negócio”, lançado pela Editora Saraiva essas situações são muito comuns na fase da maternidade e quase toda mulher já se questionou sobre algumas dessas perguntas quando engravida. Mas quais são os primeiros passos para ter um negócio para chamar de seu?

 

Depois de analisar vários relatos e conversar com especialistas para elaborarem os livros, Patrícia sugere ir até o Sebrae logo no início. “Lá, profissionais bastante experientes podem orientar de modo assertivo quais são os primeiros passos para empreender. A escolha do negócio é muito importante e disso depende a definição do investimento inicial e da modalidade de negócio. Não existe apenas uma resposta”, explica Patrícia.

Até porque não existe uma fórmula que sirva para todas as mulheres, pois tudo vai depender muito do perfil de cada uma. “Há prós e contras em todas as situações. O empreendedorismo traz para muitas mulheres autonomia, flexibilidade de horário e  uma perspectiva de crescimento profissional que, em alguns casos, elas nem vislumbravam antes. Mas, abrir o próprio negócio é como ter um outro filho. Exige atenção 24 horas por dia. Por mais flexibilidade de horário que a mulher conquiste, a responsabilidade do trabalho é dela e, quase sempre, a pressão é enorme. É preciso aprender a lidar com isto para não comprometer o grande objetivo dessas mães: equilibrar a vida profissional com a família”, analisa a autora.

Por isso, ATENÇÃO! Segundo Patrícia, há várias ilusões que rondam a ideia do empreendedorismo. E no caso das mães, elas podem ser ainda mais graves. “As mulheres precisam se preparar para não se frustrarem logo de início, pensando que vão trabalhar menos do que antes ou que vão ganhar mais do que como empregadas. Nada disso é imediato. Muito pelo contrário”, destaca.

A autora faz questão de reforçar ainda que o importante é não perder o foco e acreditar que, se o negócio estiver bem estruturado, não tem como dar errado. “A família agradece. Nada melhor do que uma mãe realizada para educar os filhos”, finaliza Patrícia Travassos.

Quer mais dicas? Confira a seguir!

Erros cometidos por muitas mães empreendedoras e que você deve evitar!

– Falta de planejamento: o plano de negócios de uma empresa é tão importante quanto os exames do pré-natal. Antes mesmo de abrir seu negócio é importante estudar o mercado, a concorrência e definir bem os objetivos e metas a serem seguidos;

– Não impeça o crescimento do seu negócio: muitas mães empreendedoras tentam evitar o crescimento da empresa para seguir no controle de tudo. Elas querem fugir daquela sensação de quando o filho cresce e ganha independência, sabe? Elas se sentem menos necessárias na vida deles. No trabalho é a mesma coisa. Mas nenhum negócio sobrevive se depender de uma única pessoa. É preciso aprender a delegar funções;

– Não misture filho com o trabalho: a empresa da mãe não pode virar o parque de diversões do filho. Isto pode dar uma imagem pouco profissional ao negócio. É bacana que as crianças visitem o negócio da mãe até mesmo para aprender sobre o valor do trabalho. Mas esta não deve ser uma rotina;

– Hobby não é negócio: quando um hobby deixa de ser um complemento de renda e passa a ser o trabalho principal da mulher, é preciso profissionalizar processos para evitar surpresas, principalmente de ordem financeira;

– Não misture as contas profissionais e pessoais: parece básico, mas muitas mulheres perdem o controle da empresa quando misturam as finanças pessoais com as profissionais. O controle é fundamental.

Perfil da mãe empreendedora!

Em conjunto com a Rede Mulher Empreendedora, as autoras do livro elaboraram um questionário para traçar o perfil da mãe empreendedora. Ao todo foram entrevistadas 200 mães que abriram o próprio negócio. Confira!

– Formação: 73% completaram o ensino superior ou são pós-graduadas;

– A virada: 67% decidiram empreender por causa da maternidade;

– Foco do negócio: 41% escolheram transformar um antigo hobby em atividade principal,

abrindo uma empresa;

– Investimento: 64% investiram até 5 mil reais para abrir o próprio negócio;

– Sede da empresa: 58% trabalham em casa (home-office)

– Ganhos: 74% acreditam que ficam mais tempo com os filhos do que antes de empreender;

– Perdas: 36% declaram que ganham menos do que antes de empreender;

– Realizações: 75% afirmam que estão mais realizadas profissionalmente.

  • Patricia Gattone

    Jornalista e autora do blog Espaço de Mulher (www.espacodemulher.com), é casada e apaixonada por tudo que envolve o universo feminino.

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)