5 dicas para ser uma mãe real (e sem culpa)


Maria Carolina Signorelli
por: Maria Carolina Signorelli
Psicóloga de crianças e adolescentes

mae_filha

Para ser mais feliz, estabeleça metas possíveis – e errar faz parte, ok? (Foto: CrayonStock)

Como é que a gente faz para equilibrar carreira e filhos?* Como dar conta de tantas obrigações que a maternidade nos impõe e, ao mesmo tempo, encontrar espaço para ter vida social, conjugal e ainda realizar tantos outros desejos que nos movem? Há dez anos, quando engravidei da minha primeira filha, comecei a sentir na pele esses dilemas das mães modernas, que já ouvia no consultório. Outro dia, por exemplo, uma mãe me perguntou: “como é que você consegue trabalhar, ficar com os seus filhos e ainda fazer ginástica? Eu sou mãe em tempo integral e não tenho tempo pra mim!”.

Aquela pergunta me intrigou, mesmo que não tenha pretensão de me tornar um modelo ideal de mulher para ninguém. Desejo “apenas”, ficar em paz com as minhas escolhas, fazer o que me preenche e dar conta do que preciso e também do que desejo fazer. Mas para se tornar essa mãe real (ou seja, imperfeita como todo e qualquer ser humano), é preciso estabelecer metas possíveis. Pensando nisso, listei cinco dicas para ajudar você a encontrar o SEU jeito de lidar com seus múltiplos papeis – sem expectativas surreais e, muito menos, culpa.

1) Conheça a si mesma

Sim, o autoconhecimento é fundamental. Algumas ferramentas podem auxiliar esse processo. Terapia pode funcionar, coaching pode funcionar, conversar com as amigas também! Aqui, tudo o que torne a descoberta do seu próprio equilíbrio mais fácil, assim como a deixar de lado a culpa, é bem-vindo.

2) Organize sua rotina

Uma rotina organizada, claro, favorece a administração do tempo. Isso vale para as mães que trabalham fora e para as que estão em casa. Que tal determinar, de antemão, um dia para buscar as crianças na escola e almoçar com elas? Estabelecer dias específicos para certas tarefas, como o dia certo para ir ao supermercado, fará com que você fique menos ansiosa diante das intermináveis demandas da casa. E lembre-se: por mais organizada que você seja, às vezes o requeijão vai faltar!

3) Permita-se fazer o que gosta

Existe um lugar íntimo que é só seu. Ao se conectar com ele, você se sentirá mais completa e capaz de fazer escolhas, de acordo com o que pode e/ou deseja. Quer aprofundar seus conhecimentos sobre fotografia? Encontre espaço para exercitar esse hobby! Gosta de cozinhar? Permita-se alimentar a alma com uma comida que você gosta, não se prendendo apenas à necessidade de cozinhar para as crianças. Perdeu aquele filme que tanto queria assistir no cinema? Sente-se confortavelmente no sofá e peça respaldo ao marido, pois hoje você vai comandar o controle da TV e assisti-lo em casa!

4) Desista de ser “onipotente”

Quem disse que temos de ser mães infalíveis? Difícil lidar com esse modelo que absorvemos, que faz com que nós mesmas nos cobremos perfeição. Mas de nada adianta, por exemplo, você ficar se culpando por não ter ido à reunião da escola, se não era possível reagendar aquele compromisso de trabalho. Faz parte! A gente tem que aprender a elencar as prioridades – e a delegar.

5) Resolva os problemas à medida que eles aparecem

Pare de acumular ansiedades, buscando soluções para problemas que você ainda não tem ou nem sabe se terá. Peço licença para deixar um último conselho: viva um dia de cada vez.

* Maria Carolina Signorelli vai participar do Painel Carreira x Maternidade, Como dar conta sem culpa e sem stress?, no It Mãe Conecta, que acontece no dia 14 de maio de 2016. Inscreva-se aqui!

  • Maria Carolina Signorelli

    Psicóloga e mãe de Gabriela e Fernando. Ou vice-versa! Atende crianças e adolescentes no consultório e é expert em orientar os pais em seus dilemas

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)