Como deixar a sua casa livre do Aedes aegypti


Natália Folloni
por: Natália Folloni

Imagem Mosquito

(imagem: Freeimages)

O mosquito Aedes aegypti voltou aos noticiários recentemente por ser o transmissor do Zica vírus, micro-organismo que pode estar por trás da epidemia de microcefalia em bebês no Nordeste. Mas ele também é responsável pela proliferação de doenças conhecidas como a dengue e a febre amarela, e outras nem tanto como a febre chikungunya. A febre amarela é a única delas que pode ser prevenida com vacina. “Sendo assim, a única forma de evitar a transmissão dessas doenças é impedir a reprodução do mosquito que as transmite”, afirma o infectologista Renato Kfouri,  vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). E o combate deve ser feito em todas as estações do ano – embora o embrião do inseto se desenvolva em apenas 48 horas se as condições de temperatura estiverem favoráveis (ou seja, tempo úmido e quente), os ovos podem sobreviver por meses em local seco e eclodir na próxima chuva. Não há motivo para pânico, no entanto, todas essas doenças são graves, por isso é importante tomar algumas medidas de segurança para proteger a sua família. Veja como a seguir:

Tampe bem a sua caixa d’água

O Aedes aegypti precisa de água parada limpa para se reproduzir. Por isso, para evitar que o mosquito deposite seus ovos na caixa d’água, é necessário colocar uma tela e depois fechá-la completamente.

Coloque telas em portas e janelas

O mosquito pode passar por frestas muito pequenas. Então, mesmo uma janela fechada pode não garantir total segurança. Daí a importância do uso de telas mosquiteiras.

Deixe garrafas e baldes virados para baixo 

Garrafas e baldes, claro, estão suscetíveis ao acúmulo de água. Seja na lavanderia ou no quintal, deixe-os virados para baixo.

E não esqueça de outros objetos com água parada

É só você deixar boias, brinquedos e demais objetos em locais secos – e não na região da piscina ou ao ar livre, por exemplo. Quanto a pneus, você pode colocar areia em cavidades que acumulem água, no caso de jardinagem, ou fazer furos na parte de baixo para permitir o escoamento.

Ponha areia nos pratinhos de vasos de plantas

Os pratinhos também podem ser depósito de ovos do Aedes aegypti. A saída é colocar areia neles, assim como em pneus.

Limpe o quintal regularmente

Calhas e frestas podem esconder focos do mosquito também. Não esqueça, ainda, de trocar a água dos animais com frequência.

Use mosquiteiro e repelente

Bebês de 6 meses a 2 anos só podem usar repelentes específicos para crianças e com moderação. O ideal seria aguardar, mas em locais onde há surto do mosquito, melhor não arriscar. Vale a pena conversar com o pediatra do seu filho antes para escolher a marca mais apropriada para vocês. A partir dessa idade, o uso está liberado. Verifique apenas se o produto apresenta a substância D.E.E.T (dietiltoloamida) – ela pode ser prejudicial às crianças se a concentração ultrapassar 10%. Como liberam inseticida, os repelentes de tomada devem ser usados com cautela. Caso o pediatra liberar, coloque-o em uma parede oposta à do berço ou da cama. Se possível, desligue-o algumas horas antes da criança dormir e mantenha o ambiente arejado.

Outras fontes: Ministério da Saúde e Fiocruz

  • Natália Folloni

    Nossa repórter adora crianças e acredita que uma mulher pode ser a melhor mãe do mundo sem abrir mão de sentir-se linda e realizada

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)