Livro infantil propõe técnica milagrosa para fazer crianças dormir


Malu Echeverria
por: Malu Echeverria

menina cama sono dormir

Ler uma história antes de dormir é sempre benéfico, segundo especialista em sono (Foto: CrayonStock)

Ensinar as crianças a dormir não é trabalho fácil. São tantas as tarefas e distrações, que muitas famílias encontram dificuldades para estabelecer uma rotina de sono diariamente. Mas um livro infantil lançado recentemente promete dar uma ajudinha! Best-seller nos Estados Unidos, França e Inglaterra, O Coelhinho que Queria Dormir (lançado por aqui pela editora Companhia das Letrinhas), do terapeuta sueco Carl-Johan Forssén Ehrlin, conta o drama do coelho Roger, que não consegue pegar no sono apesar do cansaço. Até que a mãe coelho o resolve levá-lo ao Senhor dos Bocejos para solucionar o problema. Por meio de uma história simples, a intenção é fazer com que os adultos conduzam as crianças a um estado de relaxamento para que adormeçam com tranquilidade, tornando a hora de dormir um momento prazeroso para todos. O “segredo” seria usar técnicas específicas que teriam efeito terapêutico, como repetir o nome da criança em determinados trechos, entonação diferenciada e bocejos, que o autor aponta no início e ao longo do texto. Ele sugere, ainda, que o livro seja em voz alta, sem ênfase às ilustrações (apesar do lindo trabalho da artista Silvana Rando), para melhores resultados.  A ideia parece ótima, concordamos. Para descobrir se funciona realmente, na prática, convidamos duas mães para testar o livro.

coelhinho_livro

Capa de O Coelhinho que Queria Dormir (Imagem: Divulgação)

Murilo, de 4 anos, gosta de ouvir histórias ou de assistir desenhos animados antes de dormir. Geralmente, quando os pais leem histórias para ele, o menino dorme mais rápido. E foi o que aconteceu a leitura de O Coelhinho que Queria Dormir. “Fizemos como o autor sugeriu, repetindo o nome dele e mudando a o jeito de falar. No segundo dia, ele mesmo pediu para a gente parar de ler, virou para o lado e adormeceu. Talvez tenha sido meio longo para ele”, afirma a mãe, a administradora de empresas Renata Nunes, 34 anos. De fato, a sugestão é que o livro, por ter 32 páginas, seja lido em mais de uma noite, para crianças a partir de 2 anos. Com a irmã mais nova de Murilo, Maria Luiza, de 1 ano e 4 meses, por exemplo, o livro não surtiu efeito.

Já na casa da veterinária Marina Tapxure, 34, mãe de um menino de 6 anos, a leitura do livro foi feita em quatro dias alternados. “Mas o meu filho ficou um pouco impaciente, acho que a história é meio repetitiva”, critica. Como o menino normalmente não reclama quando chega a hora de ir para a cama, e sim por ter de dormir sozinho, Mariana acredita que para o caso deles em especial o livro não foi muito útil. Ainda assim, achou o método interessante.

Para a psicóloga Renata Soifer Kraiser, autora de O Sono do Meu Bebê (CMS Editora), o sucesso provavelmente se deve ao fato de que ler uma história antes de dormir é sempre benéfico. “Se o tema for sobre sono, ainda, pode ser uma sugestão para a mente se desligar”, explica a especialista. No entanto, ela faz uma ressalva. “Não devemos induzir o sono das crianças. É fundamental que elas aprendam a conciliá-lo sozinhas, para que voltem a dormir ao despertar entre os ciclos de sono, como ocorre naturalmente”, conclui. Do contrário, é aquela velha história: toda vez que acordarem de madrugada vão demandar a presença dos pais – e do que mais relacionarem ao sono, da naninha à chupeta – para adormecer novamente. Conclusão: o sucesso para seu filho pegar no sono, sem dramas, depende de outros detalhes além da história!

  • Malu Echeverria

    Jornalista, mãe do Gael e redatora-chefe do It Mãe. Para ela, é essencial colocar a máscara de oxigênio primeiro na gente, depois na criança

Data da postagem: 20 de fevereiro de 2016

Tags: , , , , , , , ,

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)