Desmame precoce, como evitar?


Equipe de Pediatras Fleury Medicina e Saúde
por: Equipe de Pediatras Fleury Medicina e Saúde
Todo mês, um médico especialista escreve para as it-mães

Dr. Thiago Caldi,

pediatra do Fleury Medicina e Saúde

A mãe amamentada de amor estará muito mais preparada para amamentar (foto: arquivo It Mãe)

 

Enfim chegamos ao esperado mês de agosto! Mês que recebeu o título de Agosto Dourado pelo fato de o leite materno ser considerado como alimento de ouro para a saúde de nossas crianças, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Neste mês é comemorada a Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM), sob o slogan “Aleitamento materno: a base da vida”.

 

A temática foi definida pela Aliança Mundial para Ação em Amamentação (WABA, na sigla em inglês), que, em um mundo repleto de desigualdades, crises e pobreza, coloca a amamentação como alicerce da boa saúde ao longo da vida das crianças e mamães. Por isso, devemos lutar, e muito, por ela!

 

Para a OMS, o aleitamento materno exclusivo deve ser mantido até os seis meses de idade, quando outros alimentos líquidos e sólidos devem ser introduzidos na alimentação do bebê, em paralelo com a manutenção das mamadas. Destaco nesta frase o termo paralelo, pois é preferível manter o leite materno, mesmo deixando de ser exclusivo, pelo maior tempo possível.

Vale refletir alguns importantes dados: 38,6% dos bebês brasileiros permanecem em aleitamento exclusivo até o quinto mês de vida (com diminuição gradual até o sexto mês), quantidade abaixo da taxa mínima de 60% preconizada pela OMS. Por ano, 823 mil mortes de crianças em todo o mundo poderiam ser evitadas com o aleitamento materno; e 20 mil mulheres estariam protegidas do câncer de mama e haveria redução sobremaneira do risco de diabetes e câncer no ovário. Outro dado não mensurável e muito importante é o fortalecimento do elo mãe e bebê que acontece durante as mamadas.

Em contraponto, sabemos que o ato de amamentar nem sempre é fácil. Se fosse, teríamos maior adesão ao aleitamento materno exclusivo. Sempre reforço que as mães precisam se preparar antes de ter um filho, pois são muitas mudanças e novidades envolvidas. Quanto à amamentação, alguns pré-requisitos importantes precisam ser aprendidos, como sobre esvaziar a mama, compreender as diferentes posições de como colocar o bebê para amamentar, a pega correta, prevenção de lesões da mama como, por exemplo, as fissuras e a primordial hidratação (4 litros/dia).

A ingesta de água e a amamentação em livre demanda são a base da produção do almejado leite materno, que, como dissemos, deve ser exclusivo nos seis primeiros meses. Ou seja, isso quer dizer que a introdução antes do tempo de chás, frutas e sopinhas pode contribuir com o desmame precoce. Aquelas afirmações corriqueiras como “o seu leite é fraco”, o “seu bebê é magrinho” ou “você deve complementar a alimentação dele” devem ser abolidas. O melhor parâmetro para saber se tudo está indo bem é levar a criança ao pediatra para a consulta de puericultura, em que o médico coloca as medidas do bebê no gráfico de crescimento de estatura e ganho de peso (ganho ponderal).

Não supervalorize o fato de o seu bebê chorar muito e, com isso, pensar que ele não está sendo bem nutrido. Lembre-se que o bebê chora por inúmeros motivos, como desconforto, sono, contato físico, cólicas, dor, frio ou calor e fome.

Outro ponto pouco debatido que pode induzir ao desmame precoce é o fato do bebê reduzir o ritmo no ganho de peso no segundo trimestre de vida, podendo sair de uma média diária de 30g para 20g por dia. Esta redução assusta muitos pais, e até pediatras, que passam a introduzir fórmulas para suprir esta diferença que, na verdade, é esperada. Sabendo disso, fique mais tranquila quando esse momento acontecer e siga firme na amamentação exclusiva.

No dia a dia, ao amamentar seu bebê, sempre troque de peito. Ao acostumá-lo a apenas um lado, o leite da outra mama pode empedrar e dificultar a saída, levando, futuramente, a uma redução ou até a uma parada na produção. Outro ponto que pode favorecer ao desmame precoce é o uso de chupetas e mamadeiras, em que pode confundir o bebê pela sucção fácil.

Se você tiver que voltar a trabalhar rapidamente, faça o possível para retirar seu leite. Bombas ou até mesmo ordenha manual podem ser usadas. Os bancos de leite da sua cidade podem ensiná-la a fazer a extração da maneira mais higiênica e segura possível, além de mostrar como o leite deve ser armazenado. Lembrando que vale verificar também se a empresa em que trabalha, por exemplo, possui espaço e horário para a retirada do leite e armazenamento ou, ainda, vale conversar sobre a necessidade de sair para amamentar e depois retornar.

Ao final, quero destacar que a família unida e participativa é o segredo do sucesso da amamentação. A mãe amamentada de amor estará muito mais preparada para amamentar. E nós pediatras, temos o compromisso de sempre estarmos presentes e sermos facilitadores deste momento sublime.

 

  • Equipe de Pediatras Fleury Medicina e Saúde

    O Fleury Medicina e Saúde conta com uma equipe de pediatras nas unidades Vila da Saúde, estruturadas especialmente para o atendimento pediátrico, para esclarecer as dúvidas das famílias em relação aos exames de seus filhos, oferecer suporte nos procedimentos, acompanhar os resultados urgentes e prestar assessoria médica ao pediatra da criança. Dentre eles, há pediatras especializados em imunização, endocrinologia, reumatologia, alergia, infectologia, entre outros

Data da postagem: 3 de agosto de 2018

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)