7 dúvidas sobre DIU respondidas


Daniela Folloni
por: Daniela Folloni
Jornalista fundadora e diretora de conteúdo do Portal It Mãe

Se você não está planejando aumentar a família nos próximos anos, DIU ou SIU podem ser uma opção para evitar a gravidez (foto: 123TRF)

Engravidar não está nos seus planos para os próximos anos? O dispositivo intrauterino, mais conhecido como DIU, ou o sistema Intra-Uterino (SIU) podem ser uma alternativa para evitar a gravidez e não comprometer a sua fertilidade no futuro. A ginecologista Fernanda Coimbra Miyasato, especialista em Reprodução Humana, da Fertilizavitta (SP) tira as dúvidas mais comuns sobres esse métodos contraceptivo.

1- Quais tipos de DIU existem?

Fernanda Miyasato: Existe o DIU de cobre, um dispositivo que não possui nenhum tipo de hormônio, e o SIU (Sistema Intra-Uterino) que libera um hormônio (progesterona) dentro do útero. Além do efeito contraceptivo, o hormônio pode apresentar outros efeitos, como reduzir o fluxo menstrual e ajudar no tratamento de doenças como adenomiose (quando a camada interna do útero, o endométrio, se localiza na parede muscular do útero, o miométrio)

2- Quando é recomendado colocar DIU?

Fernanda Miyasato: Geralmente é recomendado nas mulheres que têm contra-indicações ou efeitos colaterais ao uso de hormônios ou tem dificuldade para usar outro método, como a pílula anticoncepcional, especialmente por esquecimento. A grande vantagem do DIU é a facilidade do uso e manutenção e a alta eficácia, que pode proteger a mulher durante 5 a 10 anos, dependendo do tipo.

3- Qual o risco de engravidar com o DIU?

Fernanda Miyasato: Não existe nenhum método anticoncepcional que seja 100% eficaz. A falha do IU ou SIU é extremamente baixa, sendo parecida com a laqueadura. Uma vez que não dependem da correta administração da usuária, o DIU e o SIU possuem eficácia superior aos outros métodos contraceptivos.

 

4- Existe algum tipo de efeito colateral? Qual?

Fernanda Miyasato: Os efeitos colaterais mais frequentes do DIU podem ser: cólicas, alterações do fluxo menstrual, corrimento vaginal. Já o SIU hormonal pode provocar redução do fluxo menstrual ou ausência de menstruação ou pequenas saídas de sangue menstrual, chamadas de spotting, espinhas, cefaleias, dor e tensão mamária, retenção de líquidos, cistos do ovário e aumento de peso, especialmente nos primeiros meses de uso. Mas também pode ajudar nos sintomas de TPM e adenomiose.

 

5- É preciso fazer algum exame antes de colocar? Qual?

Fernanda Miyasato: Sim, o médico deverá realizar uma consulta, um ultrassom e exame ginecológico, colher um papanicolaou e verificar presença de corrimento, que poderá contra-indicar sua inserção, até que seja tratado.

 

6- É preciso internar / tomar anestesia para colocar? O que é mais recomendado?

Fernanda Miyasato: O SIU, em alguns casos, poderá necessitar de anestesia para sua inserção. O recomendado é que seja inserido preferencialmente no período menstrual, para evitar que seja inserido em paciente grávida e porque o fluxo torna o procedimento mais fácil, já que o colo do útero fica entreaberto.

 

7- Depois de tirar o método contraceptivo em quanto tempo a mulher já pode engravidar?

Fernanda Miyasato: A retomada da fertilidade é imediata após a retirada do DIU. Caso tenha dificuldade de engravidar é necessário ter uma avaliação de um especialista em reprodução para verificar a necessidade de um tratamento.

  • Daniela Folloni

    Jornalista, mãe de Isabela e Felipe, trabalhou nas revistas Vogue, Cosmopolitan e Claudia. Acredita que toda mãe merece sucesso, diversão, romance e oito horas de sono

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)