Empregada doméstica ou diarista: o que compensa mais?


Natália Folloni
por: Natália Folloni

Imagem faxina

O salário da empregada pode sair mais barato do que o da diarista, mesmo com impostos (Foto: CrayonStock)

Filhos, carreira, casamento… Difícil dar conta de tudo sozinha, não? Se você pode contar com o apoio de uma funcionária para ajudar nos afazeres domésticos, ótimo! Mas na hora de contratar uma profissional, qual o melhor custo-benefício: empregada doméstica ou diarista? Segundo Rafael Malagó, CEO da empresa Enda Soluções Inteligentes, o serviço de uma empregada doméstica pode sair mais barato do que os de uma diarista. Pois o salário de uma doméstica costuma variar entre R$ 880 reais (com impostos, R$ 1.126 reais) e R$ 1.300 reais (com impostos, R$ 1.664 reais), enquanto que uma diarista cobra de R$ 100 a R$ 140 reais, em média. Então, se você optar por ter duas diaristas diferentes, por exemplo, vai gastar mais. Considerando-se 16 dias de trabalho em um mês (se cada uma delas vier à sua casa duas vezes por semana), gastaria de R$ 1.600 a R$ 2.240 reais*. No entanto, muitas famílias acreditam que ainda assim vale a pena, já que o vínculo empregatício com uma empregada doméstica exige que o empregador pague a ela garantias como férias, 13º salário, indenização compensatória, seguro contra acidente de trabalho e contribuições tributárias de INSS. Vale reforçar, porém, que quando existe subordinação a horários, exclusividade dos serviços ou três dias de trabalho por semana (no mínimo), cria-se obrigatoriamente um vínculo empregatício também com a diarista/faxineira. 

No dia a dia

Você também deve levar em consideração, claro, o que cabe a cada tipo de funcionária. A diarista é como qualquer outro prestador de serviço. Então, a princípio, os donos da casa não são obrigados a oferecer benefícios (nem mesmo alimentação). Mas na prática, além do valor do serviço, é praxe incluir o dinheiro da condução e uma refeição ao menos. Vale lembrar que a ela cabe a função apenas da faxina. Caso queira contratar uma profissional para cuidar do seu filho ocasionalmente ou até duas vezes por semana, por exemplo, o ideal seria uma babá diarista.

A administradora de empresas Elisângela Ghessi (41), mãe de João Victor, de 11 anos, pode contar com o apoio das avós. “Elas cuidaram tão bem dele que pude trabalhar com tranquilidade, e está dando certo até hoje”, comemora. Para o restante do trabalho, optou por contratar uma faxineira duas vezes por semana, já que não precisa de uma funcionária todos os dias. Mas se esse for o seu caso, saiba que, por lei, a empregada doméstica também pode ajudar a cuidar das pessoas da casa. No entanto, a fim de evitar mal entendidos posteriores, nessa situação, o melhor é combinar os detalhes de antemão e descrever a atividade descrita no contrato de trabalho.

A dona de casa Maria Helena de Oliveira Duque de Brito (46), mãe de Rafael, de 6 anos, Gabriel, de 15 anos, e Carolina, de 21 anos, já teve experiência com diarista, mas atualmente conta com o suporte de uma empregada doméstica de segunda a sexta. “Assim, tenho mais tempo para meus três filhos, o que sempre foi o meu foco”, afirma. Enquanto a Maria Helena prioriza os cuidados das roupas e da alimentação das crianças, a funcionária toma conta dos demais serviços domésticos. Já na casa da publicitária Eliane Muzel Damy (39), mãe de Pedro, 6, e Lucas, 4, a empregada doméstica comparece três vezes por semana. “Quando meu primeiro filho nasceu, eu mesma quis cuidar dele sozinha. Então, não conseguia manter a casa em ordem”, explica. No entanto, a ajudante de Eliane tem todos os direitos previstos pela CLT, uma vez que ela exerce a função mais do que duas vezes por semana – o que gera vínculo empregatício por lei.

Com a aprovação da Lei Complementar 150/2015, no ano passado, todos os empregados domésticos passaram a gozar de novos direitos, como adicional noturno, intervalos para descanso, alimentação, FGTS, seguro-desemprego e salário família. Por isso, seja qual for a escolha, de acordo com seus critérios e necessidades, é importante estar ciente da nova legislação. Não apenas para evitar problemas judiciais no futuro, como também por respeito à pessoa que a ajuda a cuidar de bens de valores incalculáveis – o lar e a família.

*Os valores são apenas uma média calculada pela Enda Soluções Inteligentes, podem variar conforme a região do país.

 

  • Natália Folloni

    Nossa repórter adora crianças e acredita que uma mulher pode ser a melhor mãe do mundo sem abrir mão de sentir-se linda e realizada

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)