Novas recomendações sobre uso de telas com crianças: liberou geral?


Isabel Malzoni
por: Isabel Malzoni

crianca_telas

Os dispositivos tecnológicos podem ser ferramentas educativas, desde que usados com moderação (Foto: Isabel Malzoni)

A Academia Americana de Pediatria (AAP) publicou na última semana novas diretrizes sobre o uso de telas e tecnologia com as crianças. Se antes a instituição recomendava que menores de 2 anos não fossem “expostos” a TVs, computadores, tablets e celulares, sob a alegação de que poderia ser prejudicial à saúde física e emocional, no mais recente comunicado ela aponta que as mídias digitais podem apresentar benefícios para crianças a partir de 18 meses, se forem de boa qualidade. As mudanças ainda foram além: o órgão substituiu os limites rígidos de idade e tempo de uso pela proposta de uma participação mais ativa de pais e pediatras na busca de uma “dieta midiática saudável”.

As novas recomendações dão fim aos limites antes impostos para o uso de telas pelas crianças? Não, certamente não. Ainda não há nada que substitua uma rotina equilibrada e a participação e supervisão dos pais quando o assunto são as telas, sejam tablets ou celulares, seja a própria TV ou o computador. O que a AAP passou a reconhecer, no entanto, é que “hoje as crianças crescem imersas em mídias digitais, o que tem efeitos negativos e positivos no seu desenvolvimento”, segundo o comunicado.

O grifo, meu, na palavra ‘positivo’ se deve a importância dessa mudança de posicionamento, que muitas vezes desqualificou os novos formatos digitais por puro receio do novo. Como afirma a Sociedade Brasileira de Pediatria, que se posicionou quanto às mudanças da instituição americana no começo dessa semana, “os dispositivos tecnológicos podem ser ferramentas educativas de qualidade, pois estimulam a coordenação motora, a alfabetização e a criatividade”. Recentemente, publiquei no blog da Editora Caixote uma entrevista com Aline Frederico, PHD pela Universidade de Cambridge em educação e literatura infantil digital, em que ela fala dos benefícios da leitura multimodal proporcionada pelos livros digitais interativos no desenvolvimento da criança, entre eles a preparação para ler os diferentes modos textuais (como imagem e texto, mas também sons, movimentos e interações), o que será cada vez mais presente na realidade dos futuros leitores.

É claro que nem só de conteúdo de qualidade vive a Internet e os meios digitais, e que o excesso de tecnologia pode ser muito prejudicial para as crianças – a televisão também, vale ressaltar, que estimula um comportamento mais passivo dos pequenos. Equilíbrio é ainda talvez o mais importante conceito quando se trata desse assunto. Como disse Beatriz Cardoso, presidente da ONG Laboratório de Educação, em entrevista à rádio CBN, “se seu filho quiser praticar oito horas de natação por dia, também não consideraria saudável, porque ele estaria deixando de fazer outras coisas importantes”.

Sendo assim, veja algumas recomendações da AAP para ajudar os seus filhos a construir uma boa relação com as mídias digitais:

– Os pais devem usar essas mídias junto às crianças pequenas, para ajudá-las a entender o que estão vendo e experimentando;

– Para crianças em idade escolar e adolescentes, equilibre o tempo em frente às telas com outros comportamentos mais ativos;

– Para crianças menores de 18 meses, evite o uso de telas digitais, com exceção de ligações em vídeo. Os pais de crianças entre 18 e 24 meses que quiserem introduzir os pequenos às mídias digitais, devem escolher conteúdos de alta qualidade e estar junto para ajudar a explicar o que está acontecendo. Essa recomendação se estende a crianças com pelo menos cinco anos;

– Já em relação a crianças com 6 anos ou mais, estabelecer limites claros de tempo e de tipos de mídias permitidos, garantindo que não tomarão o tempo do sono, das atividades físicas e outras atividades essenciais à saúde;

– Estabeleça momentos “off-line” em família, como as refeições, quando estão juntos no carro… É importante também preservar ambientes da casa do uso dessas tecnologias, como os quartos;

– Mantenha um canal aberto de comunicação com seus filhos sobre segurança na internet e cidadania, especialmente quando eles foram um pouco mais velhos;

  • Isabel Malzoni

    É jornalista e sócia da Editora Caixote, que publica livros infantis interativos, como Pequenos Grandes Contos de Verdade, finalista do Prêmio Jabuti. Mãe de Diego, divide-se entre os cuidados com o bebê, descobertas culinárias e muitos, muitos textos

    Isabel Malzoni é

Vale a pena dar uma olhada na minha seleção de produtos incríveis e serviços
 que facilitam sua vida de mãe ;)